Arquivo da tag: Clay Shirky

Superavit Cognitivo

Shirky é assiduo tema de postagens por aqui

É bem provável que o último livro de Clay Shirky venha com a tradução literal de seu título. Isso porque o intuito do autor é deixar bem claro que em alguns aspectos e de uma forma muito abrangente e crescente, temos abundância e não escassez.

O tempo que se gasta na internet e nas redes sociais, causam acima de tudo uma diminuição do tempo que se dedica à televisão. E isso é uma boa notícia.

A tese de seu livro Cognitive Surplus – Creativity and Generosity in a Connected Age, baseia-se na forte migração do foco e do tempo das pessoas, que de passivas espectadoras passam a ser participantes voluntários colaborando em projetos online pelo mundo afora. Ele diz que o ‘free time’ (o tempo livre, e não o tempo grátis) que antes era simplesmente drenado pelo mundo das novelas televisivas, os programas noticiosos, seriados, humorísticos, talk show … passa a ser disputado por um envolvimento mais nobre. Ou seja, as pessoas estão se cansando de ficar sentadas no sofá comendo batata chip, e vão engordurar os teclados entrando e interagindo nas redes sociais.

E não é so nas grandes redes (Facebook e Twitter por exemplo). Há um movimento enraizado que cria comunidades, grupos, projetos, trabalhos em conjunto, enfim uma miriade de esforços colaborativos. E é nisso que as pessoas estão dedicando seu tempo, esforço e tutano. Daí o ‘cognitivo’ da coisa!

É uma leitura agradabilíssima e muito bem colocada, pois Shirky faz questão de entremear sua tese com diferentes histórias e cases, e numa quase conversação repete perguntas e dúvidas que certamente nos aguçam, para daí dar o seu embasamento sociológico. Uma leitura imprescindível para quem acompanha e analisa o impacto da internet na Sociedade.

P.S. – inaugurei meu Kindle com a leitura do livro no tablet da Amazon. Gostei.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

A campanha da calcinha cor de rosa (Índia)

Clay Shirky foi apresentado por mim na CIRS

Sem sombra de dúvida, uma palestra de destaque na CIRS, realizada no começo do mês em Curitiba, junto com a CICI 2010, foi a do Clay Shirky ao falar sobre o poder se organizar independente das organizações.

Compartilho a seguir um dos exemplos que ele utilizou para ilustrar o fenômeno quando se dá a ignição de uma causa via mobilização social consistente. E, of course, utilizando os meios digitais para tal – tanto web como celulares.

Para os paradigmáticos analógicos isso é de difícil compreensão. Já usei uma expressão que bem resume a situação. Ao comentar minha discordância com a posição do Ethevaldo Siqueira num painel da CBN – fiz o comentário para o Pedro Dória que participava diretamente da California. Ele leu a minha tuitada no ar: “O Volney está acompanhando o debate e pelo twitter ele escreve que é impossível segurar o estouro da boiada”. Ou seja, há um caos em andamento, fruto da liberdade e da força do indivíduo que ninguém vai conseguir controlar – seja por mando, ameaça, opressão, ou mesmo agressão física.

Essa conexão dos indivíduos alimentado por suas causas, é poderosíssima. E não tem como segurar.

Shirky utiliza a reação feminista em um dos condados da Índia, que ficou mais conhecido como The Pink Chaddi Campaign. Foi a resposta das mulheres numa sociedade que sabemos tem seu peso cultural e religioso que não reconhece igualdades – onde prevalece ainda hoje o sistema de castas e a forte preponderância do papel do homem.

Comandados por um extremista religioso de nome Sri Ram Sena, fanáticos invadiam bares e locais públicos onde as mulheres estivessem – mesmo as acompanhadas – e as aterrorizavam com ataques físicos, agressões e violência. Chegavam a expulsá-las dos bares e locais públicos onde elas se encontravam. Essa hostilização bárbara foi contida pela ação de redes sociais.

Tudo começou quando uma jovem abre um blog e levanta a bandeira da campanha denominada Calcinha Rosa. Logo de início conquistou mais de 44 mil adeptos – entre homens e mulheres, que se engajaram em apoiar as mulheres mais liberais (para os padrões da Índia a referência é ‘ser livre e de vanguarda’). Sabendo que tal atitude iria contra o pensamento dos líderes religiosos extremados.

Nisha Susan liderou um movimento de libertação

Para demonstrar sua força, o chamada Consortium of Pub-going, Loose and Foward Women realizou uma manifestação à distância, enviando milhares de calcinhas rosa para o endereço de Sri Ram Sena – daí o nome Pink Chaddi. “Compre as mais baratas, tire foto do pacote com o destinatário em destaque, e vamos divulgar nosso ativismo” é o resumo de uma das iniciativas que ganharam o noticiário regional e do país. E em seguida o mundo.

Ao final da convocação a líder da campanha, Nisha Susan faz mais dois apelos. O primeiro era para não ficar discriminando cor – outras cores além do rosa seriam igualmente aceitas. E o segundo, que os homens poderiam participar também do esforço de envio pelo correio.

Outras ilustrações vieram em sua fala, e você pode assistir ao vídeo inteiro aqui. Fiz uma rápida apresentação dele, e em seguida pode-se acompanhar sua fala já com a tradução simultânea por cima.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Clay Shirky no Brasil

Apesar de relativamente moço, Clay Shirky se destacou nos últimos anos como um dos mais importantes gurus da Web. Ele se apresenta como consultor,  professor adjunto da New York University e escritor.

Eu pessoalmente tive uma experiência interessante. Através de seu blog, me interessei por seu discurso, e procurei por seus vídeos no youtube, e achei este aqui, que era sobre o seu livro recém lançado – parei lá e fiquei assistindo.

Não se passaram dez dias, e em uma de minhas visitas à Cultura do Conjunto Nacional, ali estava bem na mesa do atendente, no topo de uma pequena pilha de livros, o dito cujo! Here Comes Everybody – The Power of Organizing Without Organizations. E o mais interessante era um exemplar brochura (que é relativamente mais barato). Era como se ele falasse para mim: “Me leva, me leva.” Sem vacilar peguei o livro e fui para o caixa. Me senti único no mundo com essa tremenda coincidência. Olhei para os lados para ver se não era uma pegadinha com câmeras escondidas. Mas como eu não havia divulgado para ninguém essa minha repentina atração pelo cara –- por suas falas e seus escritos (que fique claro, por favor), fiquei tranquilo e segui com a compra.

Esse livro: Here Comes Everybody foi minha leitura de cabeceira ao longo de 2009. Ela é muito esclarecedora. Me ajudou muito tanto para dar melhores ilustrações para os meus cursos sobre Obama (sua eleição e a campanha vencedora via Web) como para os Workshops sobre imersão digital.

Hoje, com absoluta certeza posso afirmar que é simplesmente a melhor explicação –- reveladora e instigante — a respeito do impacto da tecnologia (o mundo digital de uma forma geral) quando absorvida pelas pessoas e na cultura.

É dele uma frase que repito com freqüência: “Não é a tecnologia que traz mudanças à sociedade, mas sim como as pessoas a adotam e a utilizam”

Esta outra é igualmente reveladora: “Nossos instrumentos sociais não são uma melhoria para a sociedade moderna, e sim um desafio à sociedade moderna”. Em uma apresentação no mês de Novembro, eu coloquei esses dizeres em um slide, em seguida toquei o vídeo da Geyse da Uniban para ilustrar como esse tal de desafio é tão verdadeiro!

Por final, para conhecer um pouco mais sobre ele  vá ao TED aqui. Trata-se de sua apresentação de 20 minutos, com legendas em português.

Até o momento não tenho notícias do seu livro em português, mas conheça mais detalhes (em inglês) aqui. Numa tradução livre o título e sub título seriam: TODO MUNDO JÁ CHEGOU – O poder da organização sem a Organização.

Clay Shirky estará no Brasil – em Curitiba, de 11 a 13 de março, para a CIRS – Conferência Internacional Sobre Redes Sociais. Veja mais detalhes aqui (slide share) e faça sua pré inscrição aqui. Eu pessoalmente estou ajudando o Augusto de Franco e o pessoal da organização para que a gente aproveite ao máximo essa iniciativa e a vinda de boas cabeças para o Brasil.

Tem mais novidades, mas por hoje é esta aqui! Você vai?

7 Comentários

Arquivado em Uncategorized