Arquivo da tag: Administração

Como se antecipar às mudanças

Nos próximos vinte e cinco anos, o mundo vai experimentar mais transformações que nos últimos 300 anos! Sim, em um quarto de Século já sabemos de antemão que o Emprego, a Educação, a Produção, o Serviço e até mesmo o dia a dia passaram por mudanças profundas e radicais.

Não importa de qual geração você é – nem mesmo a sua idade. Hoje, até mesmo a morte que é certa – e disso ninguém duvida – brinca com todas as gentes colocando-os na casa dos noventa, noventa perto de cem, cem … A longevidade está aí – e os próximos anos, as mudanças vem quente e fervendo.

Minhas Falas –

Além do tema das Gerações Brasileiras – dividido em duas abordagens, sendo a primeira uma panorâmica e introdutória e a segunda mais prática e esclarecedora, estamos com mais dois temas quentes: o ambiente empresarial e seus desafios, e o que o futuro nos reserva.

Elaborei para isso um portfólio de apresentação, e você pode solicitar a sua cópia no email: contato@faustini.com.br

Meus posts anteriores ajudam a compreender o porque da importância dessas falas. Por isso fique à vontade para comentar e questionar.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Novas Gerações e Sinais de Loucura

O que temos confundido (e muito), é achar que há algo bastante diferente na nova geração que chega ao mercado de trabalho com uma postura bem distinta da nossa. Já discutimos bem essa questão das diferenças – são irriquietos, impacientes, aspiram grandes desafios, desprezam autoridade, não querem saber de regras ou manuais… Aquela ladainha toda a explicar os mais jovens.

Mas o que de fato a empresa quer? O que de fato a empresa busca? Queremos talento, gente esperta e inteligente, mas que não exagere na criatividade (qualquer coisa diferente já é exagero!), Queremos rapidez e viração, mas que permaneçam no caminho já trilhado. Queremos evolução e inovação, mas desde que não haja testes e experimentos. Queremos o novo, mas proibimos qualquer coisa fora do comum, do usual, do de sempre.

problema 4E ainda insistimos que os erros estão com eles – os mais novos. No meu decálogo de provocações, cutuco: “E se o problema não for eles, e sim nós?” Achamos que por sempre termos feito como sempre fizemos, que a nova geração deve fazer igualzinho. E sem nenhuma autocrítica, sem reconhecer que temos performado abaixo da meta, sem progresso e sem produtividade, queremos que repitam nossas velhas fórmulas, nossos velhos procedimentos, nossos velhos jeitos.

Esperar ou desejar resultado superior ou melhor, sem permitir caminhos alternativos e diferentes é loucura!

Agora a pergunta fechadora: e mesmo que tivéssemos a eficiência duradoura ao longo de anos e anos, você realmente acredita que o mundo vai continuar a ser mesmo de ontem, o mesmo de hoje?

Esperar que o mundo continue a ser o mesmo, e ficar estacionado é loucura!

Desejar que as coisas continuem permanentes, e torcer por isso é loucura!

Achar que o problema está na nova geração é também sinal de loucura!

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Em comemoração à Semana do Saco Cheio

Em comemoração à Semana do Saco Cheio

O que começou com uma brincadeira e se tornou uma tradição entre pré-universitários, a Semana do Saco Cheio era uma forma de aliviar a tensão de fim de ano e perspectivas de provas e exames. Antes dessa corrida final – os alunos reivindicaram uma pausa de descanso e reenergização.

Quantas organizações fazem da vida do trabalhador o Ano do Saco Cheio? Transformação no ambiente de trabalho e um radical novo jeito de administrar – é o que esta em jogo. Transformemos pois a cultura reinante, façamos a liderança se abrir para o novo e apoiemos a inovação.

Em poucas palavras: muito a fazer!

1 comentário

outubro 17, 2013 · 2:23 pm

A volatilidade do Conhecimento

Fritz Machlup (1902-1983)

Um dos mais fortes argumentos exigindo uma radical transformação na Administração e na prática corporativa, reside na volatilidade do Conhecimento – assim mesmo com maiúscula. Sabemos que todo o conhecimento construido até a virada do Milênio, já foi superado nesta década algumas vezes. Esse crescimento exponencial trouxe a presente instabilidade nos formatos fechados – rompendo com a confiabilidade dedicada ao engessamento classificatório das diferentes disciplinas e seu consequente armazenamento.

Se portanto no passado, o Conhecimento podia ser contido era tão somente pelo seu mais importante atributo: a estabilidade.  Hoje isso não é mais verdade, pois apresenta características de meia-vida. Esse termo é atribuido a Fritz Machlup, e refere-se ao tempo necessário para metade de um conhecimento em alguma área específica ser superado ou se tornar falso. Essa identificação da obsolescência é cada vez mais frequente, tornando esses períodos cada vez menores. Estudiosos tem identificado esse fenômeno como encolhimento da meia-vida. Com isso cria-se uma demanda por re-adequação e a construção de novos saberes, que não dependa de métodos herméticos e nem dependa dos sistemas consagrados do passado.

Por conta disso tudo, temos uma substituição cada vez mais forte do Conhecimento e de seus formatos e ferramentas. Esse movimento afeta o jeito de se criar, distribuir e disseminar informação, assim como a maneira de se ensinar e aprender. Abandonar os métodos antigos é parte da solução. No fundo devemos abandonar efetivamente qualquer método. E criar um novo paradigma do Saber.

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Administração e Seu Futuro

Na semana passada tive o privilégio de participar de um evento apoiado e promovido pelo movimento denominado 50plus20.

Basicamente o que está sobre a mesa – a agenda promovida – é a reinvenção da Educação de Administração nas escolas e universidades de todo o mundo. Foi um bom começo estar presente no auditório da Fundação Dom Cabral em São Paulo e aprender sobre essa iniciativa que compartilho a seguir.

Primeiro que o nome de batismo vem da junção de mais de 50 anos (50plus) do ensino da Administração como disciplina, praticamente sem nenhuma grande mudança , com  a oportunidade dos 20 anos pós Rio 92. Assim, juntam-se duas agendas: repensar a administração e evoluir na questão do desenvolvimento economico no mundo.

Em resumo, esse esforço colaborativo (uma espécie de movimento que envolve as grandes escolas de Administração), procura atender o desafio de analisar e propor as mudanças para o mundo corporativo e o ensino das disciplinas que integram o preparo dos líderes de hoje e do futuro.

Com um video de 8 minutos, muito se pode assimilar desse esforço. Usando um banco de parque como ícone, e fazendo um trocadilho com benchmark (onde bench=banco) o video resume as intenções do movimento. Assista aqui.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

A Questão Chinesa

Aproveito a boa entrevista feita por Fabio Maisonnave da Folha de S. Paulo com o escritor James Fallows, autor de China Airbone (ainda não traduzido), sobre os desafios estruturais e do sistema social chinês diante da tecnologia, inovação e superação demandada no século XXI. É oportuna no meio desta discussão que estamos travando a respeito das rupturas administrativas na empresa moderna.

Na sua análise abrangente ele identifica alguns pontos que vão demandar maior abertura e liberdade para o povo chinês. E isso vai de encontro ao ambiente de trabalho estar voltado para enaltecer o ser humano e não o contrário. Como se trata de um sistema fechado ou híbrido – depende de como você olha a China, certamente para esse grande país se tornar de fato mais do que um gigante, algumas mudanças precisarão ocorrer. No fundo o autor não tem certeza por onde a China vai caminhar – mas joga luz na questão do tipo de regime que pode ou não fazer a produtividade e a inovação alçar voo.

Veja que excelente analogia com as nossas empresas!

A China é rigidamente controlada e fora de controle; é futurista e atrasada; seu sistema é ao mesmo tempo sólido e incerto. Seus líderes são habilidosos e atrapalhados, flexíveis e teimosos, visionários e estupidamente míopes.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Um Olhar Atento na Organização

Os muros que separam iguais devem ser derrubados – literalmente!

Ao finalizar com mais um post esta mini série sobre Gary Hamel, compartilho três insights complementares que nos motivam a compreender mais de sua posição e a adentrar em seus escritos.

Creio que o grande ponto – a questão nuclear que se enfatiza e que pode se tornar a grande epifania de empresários, executivos e líderes – reside na chamada por transformação das organizações para se tornarem centradas na pessoa. Essa aparente obviedade contém muito mais verdade que uma mente que digere rápido pode aguentar. É algo muito profundo e com inúmeras implicações. Somos pegos na armadilha do ‘me engana que eu gosto’.

Definitivamente essa verdade é fortemente desprezada, comumente falseada, amplamente desvirtuada. Todo o peso centenário de modelos mentais que levaram a organização a ser burocrática, centrada em processo, mecanicista e cartesiana, fazem do desafio humano uma empreitada mais do que hercúlea – quase impossível, quase utópica. Humanizar a organização moderna estará no topo da prioridade nas agendas de líderes de sucesso.

Eu diria que essa é a missão da vida de Gary Hamel – sua mais importante bandeira.

A sua empresa precisa ser mais humana e totalmente adequada para as pessoas – se quiser sobreviver nos anos à frente.

O segundo ponto que nos chama atenção em seus escritos e discursos é que devemos derrubar os muros do Apartheid criativo e intelectual. O mundo de hoje é feito de ideias – e isso não é privilégio de uns poucos. A inovação, a criatividade, os múltiplos insights podem e devem vir dos colaboradores de todos os níveis. E devemos abrir a empresa para tal.

De novo aqui parece ser simples. Mas não é. Imediatamente respondemos: “Mas já temos caixinha de sugestão” – e outras respostas tolas do tipo. Há um distanciamente monstruoso entre quem tem a palavra, entre quem pode ser ouvido, e até em quem finalmente pode decidir. Aprendemos e aplicamos a hierarquia, a distribuição de funções, a burocracia rígida exatamente para dizer: aqui somos adultos, e lá estão as crianças. Essa divisão que certamente existe na sua Organização está enraizada da planta do pé até os fios dos cabelos. Esses muros devem ser derrubados – e já!

E por final o último argumento que traz uma luz definitiva para o futuro, refere-se ao que Hamel chama de Geração Facebook. Há muito venho escrevendo e palestrando a respeito dos Nativos Digitais – e definitivamente esse é um assunto que toda e qualquer empresa tem se debruçado. As demonstrações de que há um novo ser no ambiente empresarial são sentidas na prática. Sabemos que eles pensam bem diferente das nossas gerações (que hoje estão no comando – gestores e executivos com idade acima de 35 anos). Não é só a pegada digital que traz mudanças – há muito a se entender. Por isso que eu mesmo tenho enfatizado que não se trata de uma questão tecnológica e sim sociológica.

Neste cenário cada vez mais complexo somos chamados a transformar as nossas empresas. Permita- me ser bem franco: se você não está com um frio na barriga, muito provavel você ainda está vivendo no século XX.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized