Calma com a denominação Z

Sim. Estamos fazendo um alerta. Nesse afã de se mostrar como um indivíduo por dentro do assunto das gerações, tem gente falando e escrevendo sobre uma tal de geração Z. Como se isso fosse possível. É o círculo vicioso da superficialidade e invencionices. Esse ‘correr atrás do rabo’ é causado principalmente pela demanda de se ter conteúdo nos sites e nas postagens – mesmo que seja algo criado, inventado e irresponsavelmente falso!

Thai boys

E a geração Z é mais um engodo a se empurrar para o mercado.

Por exemplo. O sujeito escreve artigo despretensioso em janeiro e menciona algo debaixo do tema de gerações, tirado de um site que leu – sem pesquisar, sem refletir, sem contextualizar. Como ele quer trazer novidades no que vai escrever, busca assuntos em sites americanos. Usa o tradutor do Google. E pronto, coloca a sua azeitona na grande empada de tags geracionais.

Em março, ele precisa postar algo novo. E segue o mesmo caminho. Vai construindo um castelo de cartas, repleto de conteúdos falhos, rasos e perigosos. E o pior! O que parecia vir sem nenhuma pretensão, agora já ganha ares de oficialidade. Ele mesmo se ilude com o monstrinho que criou.

Chega maio. Mais um artigo. Mais uma invenção. Construída em cima da falácia de janeiro, e da distorção da realidade de março. E agora ele não pode voltar atrás!

Imaginemos o seguinte. Estou na Tailândia como repórter fazendo cobertura no resgate dos meninos presos na caverna. Os primeiros quatro resgatados são abordados por mim, faço um furo de reportagem e publico um perfil do time em base no que conheci desses primeiros quatro sobreviventes. Desprezo os demais meninos. Desconsidero a ordem de resgate. Faço daquela amostra o meu todo. Sou impaciente e me arvoro em concluir precocemente. Sou enfim um irresponsável.

Posso até ganhar aplausos nos primeiros dias pois dei um furo jornalístico. Mas o furo é na verdade o que eu fiz. Eu que entrei numa furada! Os demais meninos, ao saírem tem histórias complementares e abrangentes, e na conversa com todos, os demais repórteres e jornalistas traduzem melhor o que de fato aconteceu e quem na verdade são esses 12 meninos e seu técnico. A minha intempestividade foi um desserviço e uma irresponsabilidade.

Voltemos para as gerações. Se o grupo geracional será identificado pelo intervalo de anos de nascimento – consideremos então a nova geração nascida a partir de 2001. Hoje, os integrantes dessa geração ainda não tem maioridade. Quem é bom de Geografia sabe: 2001 para 2018 são 17 anos de intervalo. E não para por aí. Ainda tem os novos integrantes nascendo, e os demais que são muito jovens e pequenos. Uns engatinhando, outros aprendendo a ler, outros entrando na adolescência. Ou seja, esse grupo ainda não se formou como geração! O que se pode escrever ou falar a respeito deles?

Percebe, caro leitor, como é uma armadilha? Uma armadilha transferida para quem lê e para quem ouve. O autor ou palestrante, de maneira ousada avança em descrever uma geração que não existe. E ainda lhe dá o título de Z! Mantém-se tão somente coerente no próprio erro, e no erro anterior. O círculo vicioso é alimentado.

Por isso, muito calma com as descrições, como os ditos especialistas de plantão, que muito falam e escrevem, porém pouco sabem pois pouco aprenderam.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Uma resposta para “Calma com a denominação Z

  1. Rodolppho Landucci jr

    Parabéns pelos artigos, tudo com muita logica.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s