Em comemoração à Semana do Saco Cheio

Em comemoração à Semana do Saco Cheio

O que começou com uma brincadeira e se tornou uma tradição entre pré-universitários, a Semana do Saco Cheio era uma forma de aliviar a tensão de fim de ano e perspectivas de provas e exames. Antes dessa corrida final – os alunos reivindicaram uma pausa de descanso e reenergização.

Quantas organizações fazem da vida do trabalhador o Ano do Saco Cheio? Transformação no ambiente de trabalho e um radical novo jeito de administrar – é o que esta em jogo. Transformemos pois a cultura reinante, façamos a liderança se abrir para o novo e apoiemos a inovação.

Em poucas palavras: muito a fazer!

1 comentário

outubro 17, 2013 · 2:23 pm

Manifestações – haverá continuação?

ImageA seguir a íntegra da minha postagem no FB, uma vez que houve boa repercussão, e é um texto mais reflexivo, portanto mais adequado de estar aqui. Carece de links, mas no primeiro desdobramento (se houver? Haverá!).
- – -
A mídia em geral dá neste domingo grande atenção para as manifestações que ocorreram nos últimos dias em diferentes cidades do país. Vou tentar jogar um pouco de luz a esses eventos.

1. As manifestações que tem acontecido no mundo inteiro há mais de um ano e meio, não tardaria a chegar no Brasil. Em grande parte conduzidas por jovens de uma nova geração. Apesar dos distintos contextos de cada país, cultura e situação política, elas trazem características bem semelhantes.

2. Essa situação comum é identificada pela crescente indignação que toma conta das pessoas, ao perceberem a impotência dos poderosos assentados em suas instituições. Eles tem poder, mas elas – instituições são lentas, crescentemente imperfeitas, e sugam o mundo exterior para sobreviver. E desde pequenino se aprende que a solução está no respeito a essas instituições. E que para melhorar leva-se muito tempo.

3. No espectro da juventude, a dissonância do que veem e do que sentem é grande, promovendo no campo individual uma crescente indignação. Mesmo incubada e não manifesta, ela está lá. Passiva mas esta lá. Não entendem o por que da demora, da incompetência, da sem vergonhice. Não entendem como ser passivo diante da corrupção, da ladroagem. Assim fomos nós também em décadas passadas – o detalhe é que na essência há hoje um mundo diferente.

4. O sangue está na fervura. As notícias potencializam o mau cheiro. Posts do cidadão comum – em blogs ou no FB, memes, videos, e comentários ajudam a espalhá-lo. O estado das coisas é de impaciência e intolerância. Basta pouco para provocar dentro da indignação de cada um, uma reação.

5. Os 0,20 é o pretexto inicial, mas o propósito é maior. A fervura do sangue indignado pede uma válvula de escape. “Preciso soltar a minha voz” diz o jovem. Estarei presente na Paulista, na rua, na praça. Vamos ocupar São Paulo, Rio, Brasília. Daí que sabemos sim o que deu inicio, mas não sabemos o que faz o movimento continuar. Há uma multitude de propósitos e razões.

6. Por ser aberto permite a participação. Por ter um objetivo maior: “protestar, se manifestar, soltar a voz” a identificação é automática. Daí com toda essa facilidade é natural que o movimento ganhe corpo. Essa oportunidade acontece na individualização. Cada um tem um motivo, mas o meu motivo se soma ao seu motivo. Ao final teremos um ‘motivão’. Isto basta para sairmos à rua.

7. Não há lideres nos movimento. E é isso que faz ele crescer. Se imitar a instituição, o movimento imediatamente perderá força. Enquanto forte, ele é aberto à participação, auto-organizado e auto coordenado. O movimento sai às ruas. E é nesse evento que temos o rito da passagem (sem trocadilho) representado pelo local. “Eu tenho que estar lá!” o jovem conclui. A praça – ou a Avenida Paulista – é o clímax a dar concretude à ação. “Me tornei um ativista de verdade.”

8. Daí vem a Mídia e a Polícia. Entram em cena dois coadjuvantes poderosos porém totalmente rendidos à situação. Não conseguem definir pró ativamente seus papéis e se perdem diante de um fato novo. É claro que a Polícia sabe lidar com distúrbios. É claro que a Mídia adora cobrir eventos sensacionais. No entanto há uma armadilha aí a enredar ambos (e porque não incluir aqui os pais dos manifestantes tentando acompanhar à distância?). Nesse ambiente não haverá neutralidade. Pouco importa o que acontece na periferia da manifestação. Ou melhor pouco importaria. O que vale é o núcleo rompedor que não reconhece como justas e válidas as regras vigentes, seja de participação política ou de transformação institucional.

9. Se no início estavam passivos (Mídia e Polícia), agora entram como cúmplices de algo maior. A ação de reprimir fermenta a massa, gera espetacularização, e fortalece tanto a narrativa em tempo real – como traz histórias tragicamente fantásticas (policial quase linchado, jornalista flagrada após ferimento no olho – por exemplo). Não há mais periferia. Tudo é um só centro, mesmo espalhado e disperso.

10. Os eventos sucedâneos vem para enriquecer a viralização do movimento. A ‘jaborização’ é seguida por um desdobramento de respostas meméticas, quer em foto montagens, videos editados e manifestos individuais. Opa voltamos a ele – o individuo, tem voz, e quer usá-la para soltar sua indignação diante de um mundo desgastado com suas instituições moribundas.

Por essas razões entendo que o movimento continuará a crescer.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

What good does it do studying so hard?

There at the bed side lies a small pile of books – one of which already shows signs it has been overused and overread. It is my piece of research. Add to that my new kindle – in its black leather case and silently waiting its owner. It is time to recharge it – I tell myself.

The written material is partly lost in my backpack, partly found in my files in my notebook. I already have shared both in public presentations and to my social network. But I want more. Every additional argument is one more reason to share.

At one side I already know what we are suppose to discuss – incite leaders to focus on the most important issue for their organizations: to transform, to adapt, to be flexible. On the other hand I must make new my approach – being more relevant to my audience.

Gary Hamel also waits for me. But he is screams out loud in my head. I know we have to get over those issues.

What can I say? Management demands an innovative doctrine. More than a century has gone by, and so little change. But the television tells me that we are living in a completely new time – so that is the proof I need. Maybe my final argument.

So why keep on studying?

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Uma Palavra aos Adultos de Hoje

Creio que como você, eu também sou bem resolvido quanto ao meu passado e tempos de juventude. O que vou compartilhar a seguir tem muito de uma palavra gestada na visão de futuro, estudos geracionais e um profundo mergulho no mundo digital. Então, não leve para o lado pessoal. Apesar de toda essa minha fidalguia, antecipo que você vai ter que se mexer. E rápido. Você está atrasado.

Minhas recomendações a você adulto:

1. De nada adianta detonar o mundo moderno. Sim, as excepcionais novidades trazem um enorme cardápio de futilidades e um potencial nocivo nunca vistos antes. Mas acenda uma luz, e não amaldiçoe o mundo de seus filhos e netos.

2. Não me venha com essa que você já participa do meio digital. Você acessa o Facebook com cabeça de velho e mentalidade do século passado. Desamarre esse modelo, e divirta-se. Faça da mídia social um processo de aprendizagem. Largue a mão de joguinhos, fazendas e que tais. Instrua-se. Siga os bons – aqueles que apresentam conteúdo e tem algo a contribuir.

3. Seja tardio para reagir, e precoce para buscar uma lição. Veja o todo – a floresta – e deixe a árvore de lado.

4. Não proíba. Não tente segurar. Compare o mundo moderno com o pensamento. Assim como não se controla pensamento, não se controla o jovem nas suas conexões. Há infinitos caminhos até o próximo protocolo de internet. E quanto mais você forçar a barra, mas longe de você seu filho e aqueles que você tenta controlar estarão.

5. Seja humilde, seja paciente, seja dedicado. Aprenda, acompanhe, esteja presente. O que seus filhos precisam é de mais ombro a ombro, e menos dedo em riste. Ah – saiba que isso é coisa do século XIX (dezenove).

6. Seja aberto, seja curioso. Veja que está bem ligadão na web e que tenha assim a mesma idade que você. Que tal se ligar nele, e pedir dicas?

7.  Pesquise. Aprenda como se pesquisa na própria web. Acesse a wikipedia e outras comunidades colaborativas. De vez em quando – e de vez em sempre – entre na internet para fazer a SUA lição de casa.

Sem duvida há mais que falar. mas por hoje é só. Vai rolar um programa na TV RIT – no VEJAM SÓ – e vou ter que dar uma de despertador. Para você não – para quem está dormindo.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

A volatilidade do Conhecimento

Fritz Machlup (1902-1983)

Um dos mais fortes argumentos exigindo uma radical transformação na Administração e na prática corporativa, reside na volatilidade do Conhecimento – assim mesmo com maiúscula. Sabemos que todo o conhecimento construido até a virada do Milênio, já foi superado nesta década algumas vezes. Esse crescimento exponencial trouxe a presente instabilidade nos formatos fechados – rompendo com a confiabilidade dedicada ao engessamento classificatório das diferentes disciplinas e seu consequente armazenamento.

Se portanto no passado, o Conhecimento podia ser contido era tão somente pelo seu mais importante atributo: a estabilidade.  Hoje isso não é mais verdade, pois apresenta características de meia-vida. Esse termo é atribuido a Fritz Machlup, e refere-se ao tempo necessário para metade de um conhecimento em alguma área específica ser superado ou se tornar falso. Essa identificação da obsolescência é cada vez mais frequente, tornando esses períodos cada vez menores. Estudiosos tem identificado esse fenômeno como encolhimento da meia-vida. Com isso cria-se uma demanda por re-adequação e a construção de novos saberes, que não dependa de métodos herméticos e nem dependa dos sistemas consagrados do passado.

Por conta disso tudo, temos uma substituição cada vez mais forte do Conhecimento e de seus formatos e ferramentas. Esse movimento afeta o jeito de se criar, distribuir e disseminar informação, assim como a maneira de se ensinar e aprender. Abandonar os métodos antigos é parte da solução. No fundo devemos abandonar efetivamente qualquer método. E criar um novo paradigma do Saber.

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Administração e Seu Futuro

Na semana passada tive o privilégio de participar de um evento apoiado e promovido pelo movimento denominado 50plus20.

Basicamente o que está sobre a mesa – a agenda promovida – é a reinvenção da Educação de Administração nas escolas e universidades de todo o mundo. Foi um bom começo estar presente no auditório da Fundação Dom Cabral em São Paulo e aprender sobre essa iniciativa que compartilho a seguir.

Primeiro que o nome de batismo vem da junção de mais de 50 anos (50plus) do ensino da Administração como disciplina, praticamente sem nenhuma grande mudança , com  a oportunidade dos 20 anos pós Rio 92. Assim, juntam-se duas agendas: repensar a administração e evoluir na questão do desenvolvimento economico no mundo.

Em resumo, esse esforço colaborativo (uma espécie de movimento que envolve as grandes escolas de Administração), procura atender o desafio de analisar e propor as mudanças para o mundo corporativo e o ensino das disciplinas que integram o preparo dos líderes de hoje e do futuro.

Com um video de 8 minutos, muito se pode assimilar desse esforço. Usando um banco de parque como ícone, e fazendo um trocadilho com benchmark (onde bench=banco) o video resume as intenções do movimento. Assista aqui.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

A Questão Chinesa

Aproveito a boa entrevista feita por Fabio Maisonnave da Folha de S. Paulo com o escritor James Fallows, autor de China Airbone (ainda não traduzido), sobre os desafios estruturais e do sistema social chinês diante da tecnologia, inovação e superação demandada no século XXI. É oportuna no meio desta discussão que estamos travando a respeito das rupturas administrativas na empresa moderna.

Na sua análise abrangente ele identifica alguns pontos que vão demandar maior abertura e liberdade para o povo chinês. E isso vai de encontro ao ambiente de trabalho estar voltado para enaltecer o ser humano e não o contrário. Como se trata de um sistema fechado ou híbrido – depende de como você olha a China, certamente para esse grande país se tornar de fato mais do que um gigante, algumas mudanças precisarão ocorrer. No fundo o autor não tem certeza por onde a China vai caminhar – mas joga luz na questão do tipo de regime que pode ou não fazer a produtividade e a inovação alçar voo.

Veja que excelente analogia com as nossas empresas!

A China é rigidamente controlada e fora de controle; é futurista e atrasada; seu sistema é ao mesmo tempo sólido e incerto. Seus líderes são habilidosos e atrapalhados, flexíveis e teimosos, visionários e estupidamente míopes.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized